Palhaço triste

E depois do ataque? Os 7 passos seguintes : )

Temos que levar a vida com algum humor e eu, depois de tantos anos a pregar o evangelho, a explicar a necessidade dos controlos e das revisões de segurança, bom, sinto que conquistei o direito a brincar um bocadinho : )

Portanto, dizes-me que o site da tua organização foi papado, não foi? E perguntas-me: E agora? Bem,

  1. Deves começar por chorar uma bequinha. Mas não podes exagerar! É importante libertares essa carga emocional, esse sentimento de perda da ingenuidade, mas não deves permitir que a intensidade vá muito além porque a virilidade o exige!
  2. Muda a página principal. Esta é uma medida essencial e deves executá-la rapidamente! Prepara uma página singela, onde apresentas as tuas desculpas a todos quantos forem visitar-te, explicando que o espaço está nesse momento em manutenção ; ) mesmo que toda a gente já saiba que meteram água pela popa;
  3. Prepara cuidadosamente um comunicado para a imprensa. Este é um passo incontornável, chato mas incontornável, que deves enfrentar com sentido de missão. O meu conselho é o seguinte: Mente! Mente com todos os dentes que tens na boca! Diz-lhes que o ataque foi de raspão, foi na vitrine, e que os meliantes nunca passaram do meio da porta, que nunca chegaram às alcovas!
  4. Procura imediatamente um culpado! Mas não te iludas: Não vais encontrá-lo entre aqueles que te prejudicaram o site. Será mais fácil procurares e encontrares alguém dentro da tua organização; serás mais bem sucedido se apontares a culpa aos bijagós que gerem os teus computadores, aqueles do IT, aqueles com um aspecto manhoso, sempre sebentos, escondidos atrás dos vidrinhos e com ar de quem não faz puto o dia todo! Despede dois. Os outros apanham um cagaço e ficam direitos como fusos!
  5. Contrata um director de segurança. Não vai resolver-te o problema mas vai ajudar-te a pôr em sentido as outras direcções. Se tiveres sorte até pode ajudar-te a reforçar a segurança. No mínimo, sempre que tiveres um problema, já sabes a quem apontar o dedo!
  6. Manda vir os auditores e os consultores. Mesmo que vos digam o que até já sabes, fica sempre melhor quando são outros a dizê-lo. Sobretudo quando têm que dizer que os teus são apenas bijagós. No limite, se forem muito-muito bons, até podem fazer umas recomendações à maneira! E tu, mesmo que não queiras segui-las, podes usar os volumes como apoios de prateleira.
  7. Considera o outsourcing à vara larga. Tipo, larga tudo e manda fazer fora. É um facto que podes perder flexibilidade e conhecimento entre os teus. Mas é um risco aceitável e o modelo tem duas vantagens formidáveis: deixas de chatear-te com o IT – só geres os contratos; e se houver, no futuro, outra barraca como esta, dizes que foram os outros – é como vês, só tens a ganhar!

E pronto, meu bom amigo, deixo-te com esta receita infalível que deves seguir sem desvios, e despeço-me, deixando-te uma linha de sabedoria do povo, esse povo que tanto sabe, e que te diria que Podes enganar uma pessoa muitas vezes; podes enganar muitas pessoas uma vez; mas não consegues enganá-las a todas, todas as vezes.

Fica bem ; )