Os EUA e a capacidade de espiar as comunicações

Schneier on CNN:

O governo [Norte-Americano] quer forçar as empresas a redesenhar os seus sistemas de comunicação, e as redes de informação, para facilitar a vigilância e fornecer, aos agentes da autoridade, portas-do-cavalo que lhes permitam passar ao lado de quaisquer medidas de segurança.

(...)

Estas leis são perigosas, tanto para os cidadãos de países como a China, como para os cidadãos das democracias ocidentais. Forçar as empresas a redesenhar os produtos e serviços de comunicação, para facilitar a monitorização do governo, reduz a privacidade e a liberdade; isto é óbvio. Mas as leis também nos deixam menos seguros. Sistemas de comunicação que não têm funcionalidades intrínsecas para espionagem são mais seguros que os sistemas que têm essas funcionalidades. Qualquer sistema de vigilância convida a apropriação por parte de criminosos e ao abuso por parte do governo.

(...)

Sim, as tecnologias para comunicações são usadas tanto por bons rapazes como por maus rapazes. Mas os bons são muito mais que os maus, e é mais importante garantir que os primeiros estão seguros, do que diminuir as suas capacidades, imaginando que, eventualmente, isso poderia ajudar a apanhar um dos maus.

(...)

É mau para a saúde cívica construir tecnologia que pode ser usada, algum dia, para facilitar um estado policial. Independentemente do que os vigilantes digam, estes sistemas custam demasiado e colocam-nos a todos em maior risco.

in Web snooping is a dangerous move.

É um tema importante. E como sabemos que há muitas medidas que são copiadas, quase literalmente, a partir do que é feito pelos Americanos, a probabilidade de adoptarmos coisas destas na Europa, mesmo sem compreendermos muito bem as suas implicações, essa probabilidade não é, infelizmente, muito reduzida.

Tendo a concordar com a opinião – e é apenas uma opinião – do Bruce Schneier. No entanto, como em todas as questões sobre segurança, não há só duas respostas, uma branca e uma preta, e, por isso, parece-me importante reflectir seriamente sobre os benefícios potenciais e os malefícios concretos da adopção destas medidas.

Food for thought.